sexta-feira, 25 de setembro de 2015

VIVER É RARO



Viver é a melhor coisa do mundo. Mas o que é viver? Muitos dirão, pura e simplesmente: viver é estar vivo, existir. Eu digo: viver não é somente existir, estar vivo, respirar. Um escritor inglês do século XIX chamado Oscar Wilde disse, certa vez, que “Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe”. Quando li isso, rapidamente internalizei esta convicção e esta frase passou a ser o mote da minha vida.

Sempre busquei, em minha vida, ir além do simples fato de existir. Existir, e somente existir, é muito pouco, não me contenta. Entendi, de uns anos para cá, que viver é um fenômeno muito raro, como disse Wilde. E como podemos saber se estamos vivendo ou apenas existindo? Se olharmos para a maioria das pessoas, veremos que em nada se diferenciam entre si e que, como máquinas programadas, fazem tudo exatamente igual a todo mundo.

Posso dizer que repugno ser igual a todo mundo em tudo. É claro que não sou um extraterrestre nem vivo em outro planeta, mas procuro dar significância a tudo o que faz parte da minha vida ou que afeta a vida do outro; dou valor a tudo o que me cerca, até mesmo a coisas e atos minúsculos, aparentemente sem muita importância, como o modo de dizer “bom dia” a alguém. Seria eu um ser excessivamente racional? Talvez. Mas este é outro ponto com o qual me preocupo: não ser excessivamente racional.
Na correria do dia, esforço-me para não me tornar uma máquina, racional e insensível. Confesso que não é fácil. Considero que a racionalidade deve ser uma espécie de ferramenta de equilíbrio entre nossas razões e nossas emoções. Mas isso tudo é doloroso, porque é justamente aqui onde moram os nossos maiores conflitos. Mas viver é exatamente isso. Não é possível desfrutar o melhor desta vida distante das angústias, das surpresas, das adversidades, das ansiedades, dos conflitos que a vida nos traz.
Viver é ter liberdade e coragem de pensar, de agir, de dizer sim ou não; viver é pensar diferente, é enxergar por outros ângulos, é transcender, é subverter a ordem natural das coisas, é desafiar e desafiar-se. Viver é querer, é lutar, é conseguir, é perder, é ser proativo e não se contentar com o que está posto. O contrário de tudo isso é apenas “existir”, condição adotada pela maioria das pessoas, pela massa. Eu, ser inquieto, inconformado, vivo, luto todos os dias (desde a hora em que acordo até o momento de dormir) para me distanciar dos que apenas existem, porque entendo que “viver” não é para todos. Viver é raro. Viver é a melhor coisa do mundo.